Autor Tópico: RoHS - O que significa !  (Lida 3421 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

KIKO_TR

Membro Mestre
Offline
RoHS - O que significa !
« Online: 16 de Julho de 2008, 10:13 »
Todos ja devem ter Reparado atrás do celular as Siglas RoHS.
Mas enfim o que realmente significa.

A diretiva ROHS (Restriction of Hazardous Substances Directive) limita o uso de certas substâncias na composição de manufaturados na União Européia. As substâncias restritas são as seguintes:
1. Chumbo
2. Mercúrio
3. Cádmio
4. Cromo hexavalente
5. Polibromato bifenil
6. Éter difenil polibromato (PBDE)
Os dois últimos são usados como retardantes de chamas em plásticos.

Recentemente várias peças de hardware foram lançadas como “de acordo com o RoHS” e você deve ver mais e mais produtos “de acordo com o RoHS” chegarem ao mercado nos próximos meses. Neste tutorial explicaremos o que é o RoHS e qual é o seu impacto na indústria dos computadores.
RoHS (Restriction of Certain Hazardous Substances, Restrição de Certas Substâncias Perigosas) é uma legislação européia que proíbe que certas substâncias perigosas sejam usadas em processos de fabricação de produtos: cádmio (Cd), mercúrio (Hg), cromo hexavalente (Cr(VI)), bifenilos polibromados (PBBs), éteres difenil-polibromados (PBDEs) e chumbo (Pb).
O RoHS é também conhecido como “a lei do sem chumbo” (lead-free) mas esta lei também trata de outras cinco substâncias.
Esta legislação entra em vigor no dia 1º de julho de 2006 e a partir desta data nenhum produto usando essas substâncias poderá ser vendidos na Europa. Junto com o RoHS entrará em vigor uma outra diretiva que trata da reciclagem de produtos eletro-eletrônicos, chamada WEEE (Waste from Electrical and Electronic Equipment, Lixo Vindo de Produtos Eletro-Eletrônicos).
Por causa do RoHS, fabricantes de equipamentos eletrônicos terão que correr para adequarem seus produtos à nova lei de modo a poderem vender seus produtos na Europa.
O problema é que a solda tradicional é composta de 60% de estanho (Sn) e 40% de chumbo (Pb), e os fabricantes terão que buscar outros materiais para fazerem a solda. Como você sabe, a solda é o que “cola” os componentes eletrônicos na placa de circuito impresso ( PCB ) de um produto eletrônico. A prata, o cobre e o bismuto são comumente usados como substitutos ao chumbo.
Esses materiais alternativos, no entanto, implicam em vários desafios:
Alta temperatura de fusão: a solda tradicional de estanho/chumbo funde a 180º C enquanto que a solda sem chumbo funde a 227º C. Isto significa que componentes eletrônicos devem ser capazes de suportar esta nova temperatura de soldagem de modo a permitir que a solda sem chumbo seja usada.
Ainda em estado de desenvolvimento: a solda de estanho/chumbo é usada há anos e o processo de soldagem é muito bem conhecido. A solda sem chumbo ainda é uma criança e muita pesquisa e desenvolvimento ainda estar por vir com vários diferentes materiais. Até agora não existe um padrão industrial para a solda sem chumbo.
Conserto: quando um equipamento eletrônico precisa de conserto, a solda usada também deverá ser sem chumbo. O técnico que está efetuando o conserto deve saber exatamente qual é o tipo de solda que foi usada quando o equipamento foi fabricado. Geralmente esta informação pode ser encontrada na placa de circuito impresso ( PCB ) do equipamento, mas esta informação pode não estar disponível. Mas é seguro usar liga 99C (99,7% de estanho, 0,3% de cobre) quando estiver reparando equipamentos sem chumbo.
Inspeção visual: solda sem chumbo tem um aspecto muito diferente da solda tradicional estanho/chumbo e um olho não treinado pode assumir que um ponto de solda está defeituoso, enquanto na realidade não está.
Claro que além da solda todas as outras partes do equipamento eletrônico – como componentes e a placa de circuito impresso ( PCB ) – não deve ter nenhum dos seis materiais banidos para serem considerados “de acordo com o RoHS” e poderem ser vendidos na Europa.

Porque Chumbo?

O problema todo é basicamente com a reciclagem dos equipamentos eletrônicos. A maioria dos equipamentos eletrônicos está passando o final de suas vidas em latas de lixo ou lixões a céu aberto, e muitos deles sem nenhum controle químico. A água da chuva ácida dissolve o chumbo e outras substâncias perigosas dos equipamentos eletrônicos, e a água da chuva mistura-se com esses materiais indo direto para os lençóis freáticos, indo parar na água que bebemos.
O chumbo pode afetar praticamente todos os órgãos e sistemas do corpo humano, especialmente o sistema nervoso central. Rins e o sistema reprodutivo também são afetados. Os efeitos são os mesmo caso o chumbo seja inspirado ou ingerido. Em altas quantidades, o chumbo pode reduzir o tempo de reação, fraqueza nos dedos, punhos ou calcanhar, e possivelmente afeta a memória. O chumbo também pode causar anemia.
É interessante notar que, embora a industria de eletrônicos esteja sendo direcionada para remover o chumbo de seus processos de fabricação pela lei européia, apenas uma pequena porção de chumbo é realmente usada na produção de equipamentos eletrônicos: apenas 0,49% de todo chumbo produzido é usado em solda e apenas 2% do chumbo produzido é usado em toda a industria de eletro-eletrônicos. A fabricação de baterias, por exemplo, consome 80% do chumbo produzido no mundo.
Apesar de nos Estados Unidos não existir nenhuma legislação similar ao RoHS ou ao WEE, o estado da Califórnia aprovou uma lei proibindo o comércio de qualquer equipamento eletrônico que tenha tido sua venda proibida na Europa por causa da presença de metais pesados. Esta lei, que é chamada “o RoHS da Califórnia”, entrou em vigor em setembro de 2003, com janeiro de 2007 como o prazo final para que todas as empresas se adeqüem.

fonte: Club do Hardware e Wikipedia



« Última modificação: 16 de Julho de 2008, 10:14 por kiko_tr »